Empresa de eventos decreta falência em Cacoal e até turma de medicina “fica na mão” às vésperas de formatura; polícia é acionada - Giro Central

Empresa de eventos decreta falência em Cacoal e até turma de medicina “fica na mão” às vésperas de formatura; polícia é acionada

Proprietária da firma fica incomunicável e assistente desliga celular

marcos holanda casagrande 21/12/2018 00:00:00 Noticias
1cUiBIU26g0N
.




Graduandos de vários cursos das faculdades de Cacoal estão passando por uma semana conturbada. Mas não é pela felicidade de uma etapa importante de suas vidas, que está findando, mas sim porque a tão sonhada e “suada” festa de formatura, se tornou um pesadelo. 

A empresa de eventos que já atua no mercado, no mínimo há 12 anos, deu o calote em turmas que estão se formando essa semana, em outras que irão se formar daqui há alguns meses e também em algumas que terão suas festas daqui há poucos anos. 

A “Evento Único”, assim denominada pelo CNPJ número 21315416/0001-79, com sede em Cacoal, anoiteceu e não amanheceu. Grupos de mensagens foram bombardeados hoje pela manhã, com mensagens e nota de esclarecimento da proprietária da empresa, dizendo que declarou falência ontem. 

A proprietária da firma, identificada como Leidy, conforme consta da fachada da empresa, está incomunicável. Ninguém consegue contato com ela. Sua assistente, Michele, disse hoje pela manhã que também foi pega de surpresa com vários telefonemas e até desligou o celular, por não saber como responder as reclamações. 

Foi um golpe e tanto, em famílias inteiras, que estão com seus filhos para realizarem a colação de grau marcada para hoje e que tiveram que desembolsar altos valores para fazer a tão sonhada festa de formatura. Sem contar os trajes, maquiagem, fotos e etc. 

Esses formandos, incluindo um grupo de medicina, por exemplo, tiveram que quitar, além do que já tinham pago no decorrer dos anos, mais 6 mil reais, para que o evento aconteça na data marcada, segundo uma das formandas relatou. 

O formando de arquitetura Wivys Miguel, da Unesc, disse que sua turma já está tomando as providências cabíveis, pois todos já pagaram boa parte dos custos e precisam encontrar, agora, outra maneira de continuar com o projeto de formatura, assim como várias outras turmas que também já procuraram advogados e a delegacia de polícia para registrar o boletim de ocorrência. 


Fonte: Folha do Sul

Autor: Siomara de Oliveira - MTE 953/RO


Jornalista Ronan Almeida de Araújo é registrado profissionalmente na Delegacia Regional do Ministério do Trabalho no Estado de Rondônia sob 431/98

Postagens Semelhantes

Coluna Empresarial

não tem banner