Equipamentos de israelenses não são efetivos para as buscas, dizem Bombeiros - Giro Central

Equipamentos de israelenses não são efetivos para as buscas, dizem Bombeiros

Segundo comandante, dos equipamentos que eles trouxeram, nenhum se aplica a esse tipo de desastre

marcos holanda casagrande 28/01/2019 00:00:00 Noticias
7CmxTdDRidGg
.




Os equipamentos trazidos de Israel para Brumadinho (MG) "não são efetivos para esse tipo de desastre", disse o comandante das operações de resgate, o tenente-coronel Eduardo Ângelo."O ministro de Israel se pronunciou a respeito das dificuldades que eles tiveram. O imagiador que eles têm pegam corpos quentes, e todos os corpos [na região] são frios. Então esse já é um equipamento ineficiente". Para embaixador de Israel, há ciúmes nas críticas à atuação do país.

Indagado sobre que outros equipamentos israelenses podem ser usados nas buscas, o comandante afirmou: "Dos equipamentos que eles trouxeram, nenhum se aplica a esse tipo de desastre".O militar reconheceu que o detector de imagens poderia ser eficaz para localização de sobreviventes, pois capta o calor humano. Porém, nenhum sobrevivente foi localizado pelas buscas das últimas 48 horas. "O que faz [constitui] a imagem é a temperatura. Quando a temperatura está homogênea, é como se não houvesse nada no solo".O comandante, porém, disse que o apoio dos israelenses é importante e funciona "como mão-de-obra". "As equipes de campo estão acompanhadas pelas equipes dos bombeiros de Minas Gerais."O comandante voltou a dizer que são pequenas as chances de localização de sobreviventes."O que a literatura fala é que depois de 48 horas, a chance é quase nula. Mas existem registro de pessoas que foram encontradas vivas dias depois, mas é um ponto fora da curva. A experiência mostra que a cada dia que passa, a chance é menor".
Os 136 militares israelenses que ajudam nas buscas em Brumadinho se concentram em localizar sobreviventes. Eles chegaram na noite de domingo (27) em Belo Horizonte com 16 toneladas de equipamentos.Houve ainda videoconferência com equipes em Israel para ajustar os equipamentos à realidade da tragédia. Eles trabalham em conjunto com os bombeiros brasileiros na área do refeitório da Vale, onde havia muitas pessoas no momento do rompimento da barragem.




Jornalista Ronan Almeida de Araújo é registrado profissionalmente na Delegacia Regional do Ministério do Trabalho no Estado de Rondônia sob 431/98

Postagens Semelhantes

Coluna Empresarial

não tem banner