Papa Francisco passa pelo pior momento em razão dos escândalos sobre pedofilia dentro da própria Igreja Católica - Giro Central

Papa Francisco passa pelo pior momento em razão dos escândalos sobre pedofilia dentro da própria Igreja Católica

marcos holanda casagrande 03/09/2018 00:00:00 Noticias
s4zjEw6FOLCn
Foto: Produção




Como na política, nas igrejas também tem seus infinitos inimigos. Os objetivos dos opositores sempre foram derrubar quem está no poder. Eleito pelo último Conclave como promessa de renovação de hábitos e costumes, o papa Francisco está passando pelo seu pior momento como chefe da Igreja Católica em razão dos escândalos sobre pedofilia dentro da instituição mais antiga do mundo, talvez a terceira região maior existente. Esses escândalos que estão vindos à tona são motivados por pessoas contrárias ao jeito que o papa enxerga o catolicismo e sua inserção no mundo moderno. Recentemente, um cardeal escreveu uma carta e publicada pela imprensa do mundo inteiro para que o papa possa renunciar com alegação de que o pontífice sabia da existência de abuso praticado por padres e bispos americanos contra menores . Esses casos ocorreram há mais de trinta anos e apenas dois deles não prescreveram e o padre que cometeu os abusos, veio a óbito recentemente, ou seja, nenhum religioso deverá ser punido judicialmente e o papa está numa situação difícil para punir os abusadores internamente em razão de que setores da própria igreja não ajudam para criar dificuldades para o papa ser pressionado a renunciar, como o fizera Bento XVI, que não revelou os motivos que os levaram a tomar a sua decisão mais difícil como antecessor do atual papa. Veja que os dois papas atuais são totalmente antagônicos: o primeiro ligado à direita do catolicismo, responsável em combater a Teoria da Libertação muito em voga na década de 1980 na América Latina, enquanto papa Francisco é mais voltado à esquerda, com experiência de engajamento nos meios sociais quando era cardeal em Buenos Aires, capital da Argentina.


 

Futuro da Igreja Católica

Assisti, essa semana, pela GloboNews, um documentário especial retratando os escândalos sobre a pedofilia dentro da Igreja Católica. No último dia 25, o santo padre  viagem de dois dias à Irlanda, onde participou do 9º Encontro Mundial das Famílias na capital Dublin, além de também se reunir com o primeiro-ministro, o democrata-cristão Leo Varadkar, para abordar os abusos cometidos pelo clero no país, entre outros assuntos. Durante discurso às autoridades no Castelo de Dublin, o papa reconheceu o fracasso da Igreja Católica irlandesa para enfrentar adequadamente o que denominou de "crimes repugnantes de abusos" a menores e pediu um esforço para a adoção de normas severas para que os abusos não voltem a se repetir. Atualmente, ao que parece, o papa está mais falando sobre esse assunto do que suas propostas para mudar os rumos do catolicismo, que aos poucos está perdendo muitos fiéis para outras igrejas, como aquelas chamadas evangélicas, que crescem muito em todas as partes do mundo, principalmente no América do Sul, onde o número de praticamente do catolicismo foi predominante, como por exemplo. No Chile, onde também a Igreja Católica vem tem sua imagem ofuscada por escândalos sobre pedofilia, quase 30 bispos pediram renúncia ao Papa, que aceitou apenas de três, mas as cicatrizes no mais país mais avançado da AL vem perdendo um número significado de católicos, ao pouco de que apenas 36% continua se declarando católico. As forças papais estão no limite, o que é visível quando se dirige à imprensa para falar sobre esse assunto tão em voga no momento. O presidente da CNBB disse no documentário especial sobre a pedofilia dentro da Igreja Cató lica que a solução do problema não é o fim do celibato, mas o de preparação dos novos seminaristas e padres, que alguns deles não têm apreço a um dos três votos que os religiosos fazem antes de serem ordenados. Discute-se internamente na Igreja Católica a possibilidade de que possa se admitir que em breve padres que atuam na região amazônica possa ter autorização para casar, uma experiência que pode evitar mais saída de padres da igreja, bem como aumentar o número de sacerdote que possa dedicar-se a atuar em centros que não recebem a presença de um padre há anos e missa mesmo, olha lá, uma vez por ano, enquanto as outras denominações religiosas estão direcionadas a aumentar o número de pastores para essas localidades longínquas.  A igreja precisa toma r decisões urgentes para ser uma instituição exemplar e que as pessoas possam confiar para não querer abandonar a doutrina católica, o que parece difícil de acontecer, em razão da resistência de fortíssimos setores retrógados que fazem oposição ao Santo Papa, que deveria agir com rigor contra aqueles que agem debaixo do pano para enfraquecer Francisco e consequentemente forçá-la a fazer o mesmo de Bento XVI, que foi obrigado a renunciar devido à pressão da ala que não aceitava a onda de corrupção dentro da Igreja Católica, principalmente no Banco de Roma, que foi usado por bispos e cardeais para construir palácios ao invés de igreja. 


O celibato é o maior “problema”? 


Ser religioso é uma vocação e um chamamento de Deus. Quem opta a servir como missionário a Igreja Católica precisa estar ciente de que são necessários o cumprimento de três votos: castidade, pobreza e obediência. Talvez o primeiro seja o mais difícil e um “problema” para a Igreja Católica no atual mundo moderno. O celibatário é um compromisso de que o missionário esteja disposto a não ter relação sexual não como impedimento, mas aceitar a viver como Jesus Cristo, espelhando Nele como profeta capaz de suportar as tentações da carne para mostrar que é sacerdote esteja realmente preparado para dizer não ao prazer carnal. Porém, muitos não conseguem porque o sex o é uma criação de Deus para que seja possível satisfaça a necessidade biológica de alguém e principalmente a procriação, a criação de uma família, pois sem que haja um casal que vê a relação sexual como algo normal e não como vício, o sexo é usado para que o homem e a mulher encare essa situação como prioridade número um em sua vida e penso que depois do amor, a fidelidade conjugal deve ser buscada diariamente, como expressada por padre Zezinho nestas músicas:


 


Um lar foi desfeito, não tem mais jeito

Não há revolta, mas não tem volta

O sentimento acabou

Elo desfeito, ninguém é perfeito


Não deu mais certo, não deu

Quem não era feliz foi buscar

Um outro alguém para amar

Dores do ser, dor de viver


São as dores do amor

Dor de viver

Dor conjugal e segundas uniões

Milhões de opiniões

Milhares de razões


Mas um lar foi desfeito

E está doendo em alguém!

Mas um lar foi desfeito

E está do.....endo em alguém! 


Ou nesta na sua mais linda canção que fala sobre família: 


Que nenhuma família comece em qualquer de repente

Que nenhuma família termine por falta de amor

Que o casal seja um para o outro de corpo e de mente

E que nada no mundo separe um casal sonhador!

Que nenhuma família se abrigue debaixo da ponte

Que ninguém interfira no lar e na vida dos dois

Que ninguém os obrigue a viver sem nenhum horizonte

Que eles vivam do ontem, do hoje em função de um depois

Que a família comece e termine sabendo onde vai

E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai

Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor

E que os filhos conheçam a força que brota do amor!


 


Abençoa, Senhor, as famílias! Amém!

Abençoa, Senhor, a minha também 


Abençoa, Senhor, as famílias! Amém!

Abençoa, Senhor, a minha também


Que marido e mulher tenham força de amar sem medida

Que ninguém vá dormir sem pedir ou sem dar seu perdão

Que as crianças aprendam no colo, o sentido da vida

Que a família celebre a partilha do abraço e do pão!

Que marido e mulher não se traiam, nem traiam seus filhos

Que o ciúme não mate a certeza do amor entre os dois

Que no seu firmamento a estrela que tem maior brilho

Seja a firme esperança de um céu aqui mesmo e depois

Que a família comece e termine sabendo onde vai

E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai

Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor

E que os filhos conheçam a força que brota do amor!


Abençoa, Senhor, as famílias! Amém!

Abençoa, Senhor, a minha também

Abençoa, Senhor, as famílias! Amém!

Abençoa, Senhor, a minha também

  


Em suma, os escândalos sobre pedofilia na Igreja Católica precisam cessar urgentemente porque as notícias abalam o nosso comprometimento e  engajamento melhor e mais profundo como membro desta que é para nós católicos uma eterna instituição e penso que mesmo havendo apenas um membro nada vai impedir que seja destruída por aqueles que fizeram compromisso de missionário e se tornaram discípulos do mal praticando crime impossível de acreditar. A igreja terá estrutura e força para aguentar tanta notícia sobre abuso sexual que está virando uma metástase. A cúpula do catolicismo deve tomar providências mais rápidas para evitar que dentro da igreja atuem delinquentes, meliantes e covardes, que esqueceram os princípios de Deus levando a destruição de milhares de famílias espalhadas pelo mundo afora praticando atrocidade como estupro, aliciamento e abuso de inocentes. Confio em Deus que conseguiremos superar essa triste situação que passa a Igreja Católica.

Jornalista Ronan Almeida de Araújo (DRT/RO 431/98)

Postagens Semelhantes

Coluna Empresarial

não tem banner